Projeto de Lei divide a população de Curitiba – seria interessante saber as calorias dos pratos servidos nos bares e restaurantes?

O vídeo abaixo explica sobre o projeto de lei 839/11 que está em discussão na Assembléia Legislativa do Paraná. Clique no link e assista:

http://g1.globo.com/pr/parana/paranatv-2edicao/videos/t/curitiba/v/deputados-querem-que-restaurantes-mostrem-tabela-de-calorias-de-cada-alimento/2545089/

Colocando de lado as questões políticas de quem defende ou não defende o projeto de lei acima, podemos dizer que do ponto de vista da nutrição, mostrar as calorias dos pratos servidos é um ponto a favor da saúde do consumidor!!

Atualmente sabemos que uma vida saudável está diretamente ligada a uma alimentação equilibrada e com nutrientes distribuídos na medida certa. É sabido também, que dietas milagrosas não surtem efeito e que radicalismos são contra indicados. Defendemos que a rotina alimentar seja saudável e equilibrado.

Diante deste contexto, nós, nutricionistas, trabalhamos constantemente com a veiculação da informação a favor da saúde. Fazemos educação nutricional em consultório, divulgamos conceitos de alimentação saudável em empresas e ainda atuamos dentro dos restaurantes comerciais visando a proteção do consumidor. Ainda assim, lutamos com uma quantidade enorme de informações errôneas divulgadas diariamente pela mídia, que tenta incansavelmente convencer as pessoas de que existem milagres para o emagrecimento, alimentos que são “curadores” de todas as doenças, ou que existem dietas onde se para de comer por um tempo para promover a perda de peso e depois se volta a comer normalmente sem engordar. Slogans do tipo “perca 8 kg em um mês” ainda são comuns em revistas e sites da internet.

Alimentação é coisa séria. Os alimentos tem um poder incrível na vida das pessoas. Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA’s) podem levar a morte e são veiculadas por alimentos contaminados muitas vezes manipulados por pessoas com maus hábitos de higiene.

Frente a isso, em 2004, a ANVISA, publicou a RDC 216, que instala a obrigatoriedade de todos os estabelecimentos de alimentação que envolvem manipulação, preparação, fracionamento, armazenamento, distribuição, transporte, exposição a venda ou entrega de alimentos preparados, obedeçam procedimentos de Boas Práticas de Manipulação. Esta resolução tem como principal objetivo a garantia das condições higiênico sanitárias dos alimentos e a proteção da população, uma vez que com as boas práticas adotadas, temos a certeza de que o estabelecimento toma precauções com relação a transmissão de DTA’s .

A publicação desta resolução deu força aos nutricionistas para exercerem o seu trabalho de profissionais da saúde mesmo em estabelecimentos comerciais. Em 2004, a ANVISA se deu conta da importância de determinados cuidados com a saúde da população.

leitura-de-rotuloA legislação específica de rotulagem de alimentos industrializados foi publicada ainda antes, no ano de 2003. A RDC 360, também da ANVISA, reforça em seu conteúdo a importância da informação nutricional. O principal objetivo desta legislação é realmente informar o consumidor sobre as características do alimento que ele está consumindo. A Resolução obriga a divulgação de lista de ingredientes, validade, lote do produto, informações do fabricante, bem como as características nutricionais do produto.

Desta forma, os consumidores podem analisar se os produtos escolhidos por eles realmente são as melhores opções para a sua saúde. É possível comparar alimentos similares de marcas diferentes, é possível verificar se o alimento tem ou não ingredientes classificados como ruins para a saúde, como as gorduras trans, por exemplo. Com informação disponível, fica mais fácil adotar um estilo de vida mais saudável e escolher os alimentos que devem fazer parte da rotina alimentar.

defesa do consumidorNeste caso ainda estamos falando de alimentos industrializados.Não existe uma regulamentação a nível nacional via ANVISA sobre como esta informação chega ao consumidor que frequenta buffet por kg, cantinas e bares diariamente, ou seja, estabelecimentos onde o alimento está pronto para o consumo. E é justamente isso que o projeto de lei municipal vem tentar. Informar o consumidor sobre as suas escolhas alimentares.

Como vimos na reportagem, os donos de bares e restaurantes vem a público contra o projeto de lei argumentando que a análise nutricional irá encarecer o produto. O CRN – Conselho Regional de Nutricionistas se posiciona a favor da nova lei, questionando de que forma isso encarecerá o produto e como isso não é compensatório para a saúde do consumidor.

De acordo com o consumidor entrevistado no vídeo acima, as informações são sempre bem vindas para as pessoas que se preocupam com a sua saúde. Sabendo o que estão comendo, elas podem equilibrar melhor a sua rotina diária, sem excluir determinados alimentos do cardápio.

A informação nutricional de alimentos industrializados já é obrigatória. E ela tem caráter informativo. Por que não informar o consumidor sobre as calorias que ele está consumindo nos alimentos prontos? Informação torna pessoas mais críticas e mais exigentes, torna as pessoas mais esclarecidas e embasadas para buscar o que é necessário para levar um estilo de vida saudável e equilibrado. E os benefícios destas escolhas já são bem conhecidos.

Qual é a sua posição nesta polêmica? Você pode deixar o seu comentário abaixo!!